Mais Lidas

Defensoria garante ajuda de custo às vítimas de acidente com adutora

Segundo o órgão, todas as famílias irão receber ajuda de custo emergencial de R$ 2 mil reais para compra de roupas e artigos de primeira necessidade

Famílias perdem tudo em rompimento de adutora da Cedae, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense
Famílias perdem tudo em rompimento de adutora da Cedae, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense -

Rio - O Núcleo de Defesa do Consumidor (Nudecon) da Defensoria Pública do Rio e a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) assinaram, na segunda-feira, termo de compromisso para compensação imediata às centenas de vítimas do rompimento de uma adutora, na região de Prados Verdes, km 32, em Nova Iguaçu. Segundo a Defesa Civil do município, 268 famílias, num total de 718 pessoas, foram atingidas pelo acidente, na madrugada de sábado. 

Todas as famílias irão receber ajuda de custo emergencial de R$ 2 mil reais para compra de roupas e artigos de primeira necessidade. Cada uma delas receberá móveis, eletrodomésticos e utensílios novos tão logo possam voltar para casa. A Cedae está obrigada ainda a arcar com os custos de hospedagem de todos os atingidos pelo acidente. 

"Fechamos o termo de compromisso no primeiro dia útil após o acidente de modo a minimizar a situação precária desses adultos e crianças. A solução extrajudicial é sempre mais rápida e atende de pronto as necessidades da população atingida", resumiu a coordenadora do Nudecon, Patricia Cardoso.  

Pelo termo de compromisso, os imóveis que não puderem ser reocupados serão substituídos por outros, às expensas da companhia. As demais residências serão limpas e reformadas, se necessário. A Cedae irá assegurar ainda transporte escolar para todos os estudantes obrigados a deixar suas casas e fornecer material para que concluam o ano letivo.  

Uma equipe se manterá em contato com as famílias para levantar possíveis demandas de indenização. As vítimas que precisarem de atendimento médico e psicológico não oferecido pela rede pública poderão ser assistidas em rede privada, com despesas pagas pela Cedae.  

Essa não é a primeira vez que os moradores de Prados Verdes sofrem com o rompimento da adutora. Em março de 2016, o estouro da tubulação atingiu 50 famílias. Na época, a Defensoria Pública também firmou termo de compromisso com a Cedae para a garantia de moradia temporária, medicamentos, alimentos, transporte, roupas e outros itens de primeira necessidade.