Mais Lidas

Reforma do pedágio da Linha Amarela vai durar um mês e custar R$ 3 milhões

Cerca de 100 agentes da concessionária fazem os trabalhos de reconstrução das cabines e recolocação de cancelas, câmeras e sensores desde a noite desta segunda

Trabalhos no local começaram na noite desta segunda
Trabalhos no local começaram na noite desta segunda -
A Lamsa informou que a reconstrução da praça do pedágio da Linha Amarela vai custar cerca de R$ 3 milhões à concessionária e deve durar até um mês. O local foi destruído por agentes da prefeitura, na noite de domingo, quando o prefeito Marcelo Crivella (PRB) determinou que o município reassumisse o controle da via expressa.
De acordo com a Lamsa, cerca de 100 agentes da concessionária fazem, desde a noite desta segunda, a reconstrução das cabines e a recolocação de cancelas, câmeras e sensores. Os trabalhos no local vão acontecer 24 horas por dia.
A concessionária disse que ainda faz o levantamento do que foi destruído e que deve arcar com um prejuízo de cerca de R$ 1 milhão por dia que ficar sem a cobrança do pedágio.
Na manhã desta terça, O MEIA HORA esteve no local e constatou que os trabalhos por lá estão avançados. Os vidros de praticamente todas as cabines já foram recolocados e os agentes já reposicionaram cancelas e câmeras.
Os motoristas que trafegam pelo local não estão sendo cobrados pelo pedágio. Alguns deles, passam gritando palavras de apoio ao prefeito.
Trabalhos no local começaram na noite desta segunda - Thuany Dossares / Agência O DIA
PREFEITURA X LAMSA
A queda de braço entre a prefeitura e a Lamsa já dura quase um ano. O município alega que está sendo prejudicado na equação que trata do equilíbrio econômico-financeiro do contrato entre as duas partes.
A primeira tentativa de reverter a situação aconteceu no fim do ano passado, quando Crivella determinou que a concessionária deixasse de cobrar pelo pedágio no sentido Fundão da via expressa. A intenção era devolver para a população o valor que seria dos cofres públicos. Outras duas tentativas se seguiram ao longo deste ano, todas derrubadas por liminares da Justiça.
Já na última sexta o prefeito anunciou o rompimento unilateral do contrato de concessão, notificando a Lamsa na noite de domingo. A concessionária recorreu e horas depois a Justiça derrubou a decisão do prefeito, liberando a cobrança do pedágio e estabelecendo uma multa ao município de R$ 100 mil por dia que a Lamsa ficar sem arrecadação. A prefeitura avisou que iria recorrer.
Também nesta segunda, o Ministério Público estadual (MPRJ) pediu para que a Polícia Civil fizesse uma perícia para avaliar os danos causados pela prefeitura no local.
Trabalhos no local começaram na noite desta segunda Thuany Dossares / Agência O DIA
Trabalhos no local começaram na noite desta segunda Thuany Dossares / Agência O DIA
Trabalhos no local começaram na noite desta segunda Thuany Dossares / Agência O DIA