Mais Lidas

Crivella assina decreto de nova classificação dos estágios operacionais do Rio

A partir de agora, os níveis de alerta serão cinco e não mais apenas três, como era anteriormente

A partir de agora são quatro estágios de classificação
A partir de agora são quatro estágios de classificação -
O prefeito Marcelo Crivella (PRB) assinou, nesta terça-feira, o decreto que estabelece uma nova classificação dos estágios operacionais da cidade em caso de chuva ou acidentes graves, com a finalidade de agir mais rápido em casos de catástrofes climáticas. A partir de agora, os níveis de alerta serão cinco e não mais apenas três, como era anteriormente. Antes, as fases eram Normalidade, Atenção e Crise, o mais grave. A ordem passa a ser Normalidade, Mobilização, Atenção, Alerta e Crise.

De agora em diante, os comunicados para a população serão feitos a partir do estágio de Mobilização (2), ou seja, antes de os problemas se agravarem, o que terá o objetivo de melhorar a prevenção e acelerar as respostas aos cenários adversos. No nível de Alerta (4), a prefeitura passa a priorizar o gerenciamento da crise.

O novo protocolo detalha outros tipos de situações que podem causar transtornos que gerem impacto considerável na cidade, como acidentes em grandes vias, quedas de passarelas, eventos de grande porte, incêndios, entre outros.

Os estágios operacionais da cidade têm o objetivo de comunicar às equipes que atuam nos serviços da cidade, em especial, os relacionados à infraestrutura e logística urbana, e aos cidadãos como estão as condições dentro do território municipal. Eles informam, em tempo real, se a rotina da cidade segue conforme previsto ou se enfrenta problemas, e, nesse caso, qual é a severidade dos impactos.

A tomada de decisão sobre as mudanças de estágios é feita a partir de análise da situação, pelo Centro de Operações Rio (COR), com base em dados e informações de campo e contando com participação de gestores de diferentes secretarias e do próprio prefeito, dependendo do caso.

Veja os novos estágios operacionais da cidade e como o cidadão deve agir em cada um deles:

1. NORMALIDADE: Não há fatores de risco de curto prazo e ocorrências que provoquem alteração significativa no dia a dia do carioca;

2. MOBILIZAÇÃO: Risco de ocorrência de alto impacto na cidade devido a um evento previsto ou a partir da análise de dados provenientes de especialistas. Não há impactos na rotina, mas cidadãos devem acompanhar os comunicados e redes sociais da Prefeitura;

3. ATENÇÃO: Uma ou mais ocorrências impactam a cidade, com reflexos relevantes na infraestrutura ou logística urbana, afetando a rotina de parte da população. A partir desse nível, o COR envia aviso aos órgãos, entidades municipais, cidadãos e imprensa;

4. ALERTA: Uma ou mais ocorrências graves impactam a cidade, causando reflexos graves na infraestrutura e logística urbana, afetando severamente a rotina da população. Os múltiplos danos e impactos causados começam a extrapolar a capacidade de resposta imediata das equipes da Prefeitura. A cidade ainda possui recursos para retornar aos estágios de Atenção (3) e Normalidade (1) em um período de até 12 horas.

5. CRISE: Uma ou mais ocorrências graves impactam a cidade, afetando severamente a rotina da população. Os múltiplos danos e impactos causados extrapolam de forma relevante a capacidade de resposta imediata das equipes da prefeitura, que necessitam de período superior a 12 horas para retornar aos estágios de Atenção (3) ou Normalidade (1).